domingo, 24 de maio de 2009

HIDROTERAPIA

Hidroterapia

Extraído do site http://www.processovital.com.br/
(“Saúde através do Naturismo” – Antônio Thomé)

É um agente na recuperação e conservação da saúde.

Que é Hidroterapia? Terapia – palavra grega que significa “tratamento”; hidro – “água”; portanto hidroterapia significa: tratamento através da água.

Por que damos uma importância capital à substancia água?

Se o ar é elemento primordial para manter a vida, a água é elemento curativo por excelência. Para se compreender a importância da água sobre a saúde do organismo, basta lembrar que o corpo humano contém, aproximadamente, dois trecos do seu peso constituído de elemento liquido.

É claro que a água desempenha um papel preponderante em todo o nosso organismo. Podemos passar vários dias sem alimentos; não é possível, porém, passarmos o mesmo tempo sem água. A água é, desde a infância até o fim da vida, um excelente meio de recuperação, para conservar e firmar o estado de saúde e vigor do corpo. A água é elemento indispensável à purificação. A doença se pode considerar como uma “sujeira interna”; e como é sabido que “sujeira se lava com água”, é simples raciocinar que a água é elemento essencial para a purificação interna do corpo. Ela dissolve impurezas e as elimina, dá vitalidade e equilíbrio ao sistema nervoso e regulariza todo o organismo. Os diversos tipos de banhos, que explicaremos mais adiante, aliviam os “cansaços físicos e mentais”, favorecem a cura das doenças e proporcionam um alivio geral.

Na terapêutica natural a água tem sido utilizada eficazmente em seus três estágios: sólido, liquido e gasoso:

· Sólido – O gelo serve em casos de inflamação, flebites, etc...

· Liquido – A água pode ser aplicada por meio de envoltórios, banhos vitais, de tronco, imersão, semicúpios, assento quente, borrifos, duchas sobre pressão e temperatura desejada.

· Gasoso – Em forma de sauna, vapor local e inalação.

As alterações fisiológicas produzidas no corpo pelos processos hidroterápicos podem ser classificadas em: térmicas, mecânicas e químicas. Os efeitos térmicos são produzidos pela aplicação de água em temperaturas mais altas ou mais baixas do que a dor corpo. Quanto maior for a variação, acima ou abaixo da temperatura do corpo, maior será o efeito fisiológico produzido. Os efeitos mecânicos da água sobre o organismo são produzidos pelo seu impacto sobre a superfície da pele, em redemoinhos de água, borrifos, duchas e fricções. Os efeitos químicos da água são produzidos ao ser ela bebida ou usada como irrigação intestinal.

Se bem que todos os efeitos sejam bons, o térmico é o mais importante.

A causa principal da doença, é em geral um mal funcionamento do aparelho digestivo, provocado muitas vezes por uma alimentação mal equilibrada, incompatível ou inadequada.

A má disposição é tanto maior quanto pior for a qualidade de alimentos ingeridos. Uma pequena quantidade é digerida pelo organismo, e a restante vai obstruir o cólon; este, sobrecarregado com excrementos, encontra-se na impossibilidade de efetuar as suas funções. Sobrevém então a prisão-de-ventre, que todos conhecem, e eis criados focos de todas as doenças. É no baixo ventre que se fazem as separações do alimento assimilável dos resíduos. Quando essas impurezas ficam no organismo tornam-se mórbidas, isto é, perigosas, tóxicas. O organismo procura, então, desembaraçar-se delas por uma fermentação continua e, quando esta demasiado forte, manifesta-se o sintoma chamado febre.

Muitas enfermidades se originam no baixo ventre e, portanto, o mesmo esta sempre em estado de congestão interna, de inflamação e de fermentação, em luta continua para desembaraçar o organismo das matérias mórbidas.

Que acontece quando nos assentamos no banho? Os órgãos de evacuação natural e o baixo ventre encontram-se imersos dentro da água fria. Produz-se então uma reação entre o frio exterior da água e o grande calor interno do baixo ventre. O contato da água provoca um certo refluxo do sangue para as extremidades: braços e pernas, e os órgãos de evacuação natural ficam libertos da sobrecarga de sangue, e sua atividade diminui. Estes órgãos que nunca conhecem repouso, gozam durante o banho de um repouso benéfico. Eis a razão por que a água do banho deve ser fria: deve provocar a reação. Esse “refrescar” impede ou faz regredir a fermentação das substancias mórbidas do ventre. A baixa temperatura da água pura faz penetrar no organismo o seu frescor, dando-lhe uma nova e poderosa energia, que o porá em estado ideal para realizar melhor o trabalho.

Se após o banho tivermos a curiosidade de examinar a água, veremos que esta se tornou “gordurosa”: isto que dizer que esta cheia de toxinas. Verificaremos também que a água descongestionou os intestinos, absorvendo todo o forte calor interno dos órgãos do baixo ventre.

O banho natural atua poderosamente sobre o nosso organismo e favorece repouso. Descongestiona os órgãos do baixo ventre, ativa a circulação sanguínea. Da uma nova energia vital.

Depois do banho devem-se enxugar e esfregar energicamente as partes do corpo molhadas com um pano grosso, para reativar a circulação.

Terminado o banho a pessoa sente-se muito mais leve, com mais força e vigor. Se esta sensação de bem-estar não se manifestar, é porque o banho não foi tomado segundo as regras prescritas e, nesse caso é preciso tornar a ler atentamente as explicações sobre o banho e procurar cumprir exatamente as indicações.

Notemos uma coisa muito importante: pelo osso sacro se ramifica a parte inferior da medula espinhal; ai termina essa “arvore maravilhosa”, tão preciosa para a vida do homem: a espinha dorsal encerra a medula espinhal. Durante o banho, a base da medula espinhal esta imersa na água. Que acontece? Por comparação, o mesmo que ocorre quando deitamos água nas raízes de uma arvore. As raízes absorvem a água e transmitem a vitalidade desta a toda a arvore, até a ultima folha. Assim se da no banho; a medula espinhal absorve o potencial termofisiso da água e o transmite para todo o sistema nervoso, dando-lhe vida, energia e nova força. Atuando sobre a medula espinhal, a água do banho atua por conseqüência sobre o cérebro, sede das faculdades intelectuais, do pensamento e da vontade, sobre os nervos cranianos.

Estes banhos são os maiores e mais poderosos remédios para as debilidades e desequilíbrios nervosos. Pelas ramificações do sistema nervoso não há qualquer parte do corpo que não lhe sinta os benefícios.

A água fresca e natural irradia os seus benefícios eflúvios a todo o sistema nervoso e da restauração vital ao organismo inteiro.

Isso se prova pelo fato de, após o banho, notar-se a existência de mais calma e domínios dos nervos, exceto nas distonias neuro-vegetais.

Sob o ponto de vista hidroterápico, nenhuma parte do corpo é tão importante como o baixo ventre, porque é ali que se encontra a maior parte dos órgãos eliminadores. Repetimos: A ação favorável de água não se limita ao baixo ventre, mas estende-se ao organismo inteiro, a todo o sistema nervoso.

A reação da água fria provoca o fluxo do sangue e restabelece a circulação. O aparelho digestivo sente o beneficio e as funções digestivas são ativadas, normalizadas. Depois de alguns banhos, a verdadeira fome, que havia anos que não se fazia sentir, reaparece normalmente, pois estes banhos não só eliminam impurezas contidas no corpo, mas reeducam o organismo inteiro que assim retorna as suas funções normais e regulares.

Durante o banho é bom não se preocupar com nada, ficar bem calmo, concentrar-se sobre a importância do que esta fazendo.

Esforcemo-nos por manter nossa mente voltada sempre para o que é bom e reto. Pensamos que somos um ser renovado de uma boa saúde, e de um perfeito equilíbrio psíquico.

A seguir daremos explicações sobre como fazer os tratamentos hidroterápicos.

· Banho de tronco

A água deve chegar até a altura do umbigo e, logicamente, fria. A pessoa devera ter à mão um pano bem macio e friccionar o baixo ventre da direita para a esquerda e da esquerda para a direita durante todo o tempo do banho. A duração do banho devera variar entre 20 a 30 minutos. Para maior reação do organismo, os pés deverão estar numa bacia com água quente, durante o banho. Após o mesmo enxugam-se as partes molhadas, e com um pano seco e grosso friccionam-se as mesmas. Terminado o banho o paciente devera aquecer-se bem com exercícios ou trabalhos físicos e, se estiver impossibilitado voltara à cama, cobrindo-se bem e colocando bolsa quente nos pés.

Observação: Não se deve comer logo depois do banho, antes que volte o calor normal do corpo. Os banhos deverão ser feitos antes das refeições ou, no mínimo, quatro horas após.

· Banho Vital

As instruções são as mesmas do primeiro, com algumas diferenças: a pessoa senta-se num banquinho e a água chega a uns dois centímetros abaixo do assento. Os pés deverão estar numa bacia com água quente. Com um pano macio, baixa-se a mão por entre as pernas até a água, molhando-o bem; sobe-se pelo lado direito do órgão genital até a altura do umbigo; leva se a mão para a esquerda e baixa-se novamente até a água pelo lado esquerdo do órgão genital, formando-se com isso um triangulo. Repete-se a operação invertendo-se o sentido do movimento da mão e assim sucessivamente, durante todo o tempo do banho.

Outro detalhe: A parte de cima do corpo, ou seja, o tórax devera ser coberto ou vestido com uma blusa agasalhada.

· Banho quente de Assento

A figura mostra como se faz o banho quente de assento. Serve o mesmo recipiente, com água até o umbigo, porem com uma diferença do banho de tronco: a água é quente, e se pode ir acrescentando mais água quente, à medida que a pessoa suporte.

Notem bem: Devem-se cozinhar as ervas indicadas para este tratamento e fazer o banho nessa água com remédio. Os pés também precisam estar com água quente. Após o banho, tomar um chuveiro rápido de água fria, ou molhar com água fria as partes imersas na água quente. Duração: de 10 a 15 minutos.

Movimenta-se a água com as mãos.

· Banho Genital ou Semicúpio

O mesmo recipiente, sentado sobre o banquinho, os pés em água quente, com o tórax vestido com uma blusa quente.

A mulher banha somente o órgão genital de cima para baixo com um pano bem macio e molhando-o cada vez que baixar o pano.

O homem deve ter o membro mergulhado na água e friccionando de cima para baixo somente a cabeça do pênis.

A água do banho é fria.

· Escalda-pés

O recipiente quente devera conter chás de ervas indicadas, ou mostarda, ou ainda cinzas.

Começando pela água quente, 4 minutos, e passando para a fria, 1 minuto, alternando 4 vezes, ou seja, 4 vezes na quente e 4 vezes na fria, terminando sempre com a fria.

· Fricção com Toalha molhada

Toma-se uma toalha de banho do tamanho médio, molha-se bem, e dobra-se diversas vezes, tirando-se um pouco da água: começa-se a passar por cima, como ilustramos na figura, pelo lado direito até o pé; em seguida vira-se a toalha e passa-se pelo lado esquerdo; dobra-se a toalha novamente e passa-se pelo peito e entre as pernas; dobra-se novamente a toalha, passa-se pelo pescoço, por cima do braço direito e em seguida pela parte de baixo, até o pé. Dobra-se sempre que a toalha mudar de posição. Agora passa-se pelo lado direito das costas até o pé; em seguida pelo lado esquerdo e depois pelo meio e por entre as pernas, e por ultimo se pisa na toalha. Voltar a cama sem roupa, mas permanecer coberto até esquentar.

Atenção: É preciso fazer esta fricção ao lado da cama para poder em seguida deitar-se. A fricção devera ser feita o mais rápido possível.

· Banhos de Vapor e Inalações

Para se fazer a inalação não é preciso cobrir todo o corpo. É suficiente cobrir somente a cabeça. Aconselhamos usar um fogareiro elétrico, pois ferve a água com mais rapidez e não intoxica.

Outra maneira muito pratica é a seguinte: Usa-se uma panela de pressão, tira-se a válvula da tampa que controla a saída do vapor e coloca-se uma mangueira no lugar da mesma de uns dois metros de comprimento; deixa-se a panela fervendo no fogão, leva-se a mangueira até o lugar desejado e toma-se o vapor ou inalação, tranqüilamente. Colocam-se os remédios indicados na panela.

Após este banho tomar um chuveiro de água fria. Após a inalação passar um pano molhado com água fria no rosto e no peito.

Duração de 10 a 30 minutos.

· Ducha Escocesa

Nestas gravuras a maneira correta de tomar a ducha. Começando pela frente e no pé direito, basta seguir as setas. Terminada a frente passa-se para a parte de trás.

· Lavagens Intestinais

Aconselhamos que todos os tratamentos devam ser acompanhados de lavagens intestinais segundo as seguintes normas:

1° dia – meio litro de água

2° dia – um litro de água

3° dia – um litro e meio de água

4° dia – dois litros de água

5° dia – um litro e meio de água

6° dia – um litro de água

7° dia – meio litro de água

· Fomentação

Cozinham-se as ervas indicadas. Molhar uma pequena toalha felpuda no chá bem quente e aplicar na região indicada. Cobrir com uma toalha seca e deixar por 5 minutos. Pode-se colocar uma bolsa de água quente sobre a compressa, quando se pode deixar por mais tempo. Em seguida, retirar a aplicação quente, molhar outro pano de água fria e aplicar no local, cobrindo com uma toalha seca. Repetir 4 vezes.

· Derivativa

Molha-se uma toalha bem felpuda em água fria e aplica-se no local indicado, cobrindo a mesma com uma toalha seca.

Compressa de Água

· Pode ser Fria ou Quente

Molha-se um pano em água, aplica-se no local indicado, cobrindo com uma coberta seca durante 10 minutos; troca-se 4 vezes.

· Compressa de coalhada (Iogurte)

Usa-se coalhada ou iogurte da seguinte maneira: coloca-se entre panos e aplica-se sobre o coração; cobre-se com um cobertor seco durante 2 horas. A coalhada não precisa ser grossa.

· Cataplasma de Linhaça

Coloca-se uma xícara de semente de linhaça em uma panela com água e põe-se para ferver durante 5 minutos. Coloca-se a linhaça entre dois panos sobre o lugar indicado, cobrindo-a com um pano seco e, sobre este, uma bolsa de água quente. Passados 10 ou 15 minutos o mesmo material deve ser reaquecido e aplicado novamente sobre o local. Ao retirar-se a compressa passa-se um pano de álcool no local onde se fez a aplicação. Aumenta-se o efeito dessa compressa com o acréscimo de uma colher de gengibre ralado, cozido.

· Sinapismo

1 xícara de semente de linhaça e 1 colher de semente de mostarda. Cozinhar durante 5 minutos, colocar entre panos e aplicar nas panturrilhas das pernas, cobrindo com um pano seco, trocando a cada 10 minutos por 4 vezes.

(“Saúde através do Naturismo” – Antônio Thomé)



ADVERTENCIA ACURANATURAL

1- Não utilize a mesma planta ou receita por mais de 15 dias seguidos. Procure outra com os mesmos efeitos e alterne o uso.

2- Evite o uso de recipientes de alumínio.

3- Prepare as receitas na quantidade certa para ser consumidas na hora. (A não ser quando recomendado).

4- Ressaltamos que toda receita alternativa tem o poder de acalmar e amenizar o problema, seja ele uma dorzinha de barriga ou uma grande enxaqueca. É importante sempre lembrar de anotar os seus sintomas e procurar ajuda médica periodicamente para os check-ups. Não nos responsabilizamos pela ingestão das ervas sem o devido acompanhamento terapêutico.

Postar um comentário