terça-feira, 4 de outubro de 2011

ABACATE: UMA FRUTA COMPLETA

Veja receitas com o abacateiro em http://acuranatural.blogspot.com.br/2011/11/abacateiro.html


Introdução 
Há anos a ciência se dedica a aprofundar o conhecimento sobre o metabolismo dos lipídios no organismo, bem como a composição das variedades de gorduras proveniente de grãos e frutos, além daquelas originadas de animais. 
Dietas ricas em lipídios de diversas origens (peixe, oliva, girassol, milho, soja, canola, etc) têm sido bastante estudadas. Os resultados das pesquisas apontam para uma influência positiva de alguns tipos de gorduras sob as taxas das lipoproteínas sangüíneas, resultando em proteção do organismo a diversas doenças. 
O abacate é um fruto originado do continente americano, o abacate é notadamente rico em gordura sendo fonte de ácido oleico e de calorias. Até pouco tempo atrás, seu consumo era vetado para portadores de obesidade, hipertensão arterial, diabetes, dislipidemias, doenças cardiovasculares e outras patologias que estão associadas ao acúmulo de gordura no organismo, devido à interrelação entre a alimentação e a origem destas doenças. 
O abacate pode ser encontrado na América Latina e outras regiões subtropicais e tropicais do mundo, sendo que o Brasil ocupa hoje o quarto lugar como produtor deste fruto, antecedido apenas pelo México, Estados Unidos e República Dominicana. Aproximadamente 70% do peso do abacate se refere à polpa do fruto. A composição centesimal média do abacate encontra-se descrito no Fica, evidente que o abacate é fonte de muitos nutrientes, destacando-se as fibras e os lipídeos, além de contribuir com calorias. Mesmo sem poder ser considerado como fonte protéica, o abacate contém quantidades muito superiores às demais frutas neste quesito. Na composição lipídica, a quantidade de ácido oleico se destaca no abacate. 
Esteróis, alcoóis, tocoferóis e carotenos também se fazem presente. Cabe enfatizar que, tanto a variedade como o clima de cultivo podem interferir no teor dos nutrientes do fruto. Dada a relevância do consumo de abacate em dietas de determinados países, incluindo o Brasil, estudos foram feitos, especialmente no México, relatando o papel protetor que os componentes do abacate possuem tanto na prevenção como no tratamento de cardiopatias. 
Em 1992 foi publicada a primeira evidência científica sobre a eficácia do abacate como fonte de ácidos graxos monoinsaturados em pessoas saudáveis, reduzindo o colesterol total, o colesterol de baixa densidade (LDL) e os triacilgliceró is. Em 1997, foi constatado em pacientes com hipercolesterolemia que, além do consumo do fruto induzir redução nas taxas de colesterol total, LDL e TAG, ele favorece o aumento desejável nos níveis do colesterol de alta densidade (HDL.Os resultados do consumo de dietas compostas por abacate aparecem logo. 
Após o período de uma semana já ocorre alterações sensíveis nos indicadores lipídicos do sangue. Além disso, já foi identificado que o consumo do abacate influencia também na glicemia. Após quatro semanas consumindo dieta contendo abacate, mulheres diabéticas insulino dependentes, compensadas e sem complicações graves decorrentes da patologia, tiveram redução tanto no colesterol sérico total como na glicemia. 
O consumo de abacate auxilia no tratamento de doenças crônicas, especialmente nas cardiopatias, diabetes e dislipidemias. Sua composição é nutricionalmente interessante dada as quantidades significativas de ácido oleico, vitamina C, fibras, esteróis e mesmo calorias. Estudos comprovando os benefícios do consumo do fruto a longo prazo ainda são requeridos no sentido de reforçar seu papel terapêutico aqui descrito". 
Cabe, finalmente, destacar que a introdução regular de abacate na alimentação deve ser feita sob acompanhamento nutricional, dada a elevada densidade calórica do fruto. Caso contrário, indesejáveis quilos podem surgir e, de certa forma dependendo do caso, comprometer a saúde. 
O abacateiro, pertencente à família Lauraceae, é uma espécie frutífera de porte arbóreo, perene. Devido à sua origem adapta-se muito bem ao clima subtropical, principalmente os cultivares e híbridos das raças mexicana e guatemalense. Suas flores, embora hermafroditas, apresentam protoginia, pelo que os cultivares são classificados nos grupos A e B. Por essa razão, para assegurar efetiva polinização, recomenda-se o interplantio de cultivares de ambos os grupos. 
O fruto é rico em proteínas (1 a 3%) e vitaminas A e B e encerra quantidade variável de óleo na polpa (5 a 35%), na maioria ácidos graxos insaturados (60 a 84%), de grande utilização na indústria farmacêutica e de cosmésticos, com possibilidade de emprego na culinária, sozinho, ou em mistura com o azeite de oliva. Das folhas dos cultivares da raça mexicana e híbridos, que exalam odor de aniz quando maceradas, pode-se extrair óleo essencial, com alto teor de metil chavicol, utilizado na aromatização de alimentos. O fruto, de tamanho varíavel é uma baga ovóide ou piriforme, medindo até 20cm de comprimento. Contém polpa verde, finíssima comestível, que envolve a semente, grande e globulosa. Além de uma pequena porcentagem de ácidos, o abacate possui matérias graxas, proteínas, substâncias minerais, óleo pingue, açuúcar, hidrato de carbono, etc. 
Com exeção da banana, o abacate tem quatro vezes mais valor nutritivo do que os outros frutos. Emprego: Prisão de ventre, flatulências, pertubações digestivas, gota reumatismo, afecções dos rins, da pele, do fígado, etc. As cascas são vermífugas, sendo também adequadas para o tratamento de hemorragias, desinterias e bouba. O chá de folhas por sua vez, é excelente diurético, sendo também eficaz nos seguintes casos: nevralgias, dores de cabeça, catarros, bronquite, diarréia, afecções da garganta, cansaço, dispepsia atônica, rouquidão, tosse, disenteria, etc. 
Considerado uma rica fonte de folato, vitamina A e potássio, o abacate tem mais proteína que qualquer outra fruta, cerca de 2 g para cada porção de 110 g. Possui, ainda, quantidades úteis de ferro, magnésio e vitaminas C, E e B6. Seu único inconveniente é o alto teor calórico - 110 g contém cerca de 200 calorias. Deve ser servido cru, pois se torna amargo quando cozido. Pode ser acrescentado a pratos quentes já cozidos, servido em forma de saladas ou batido com leite. Os abacates só amadurecem depois de colhidos.O abacate, fruto do abacateiro, é outro dos alimentos que a América ofereceu ao mundo. Abacate vem da palabra awakati, o nome da planta na língua natural dos mexicanos. Há mais de 500 variedades de abacateiros, o que explica os muitos tipos de abacate, diferentes na forma, tamanho e cor. Entre os tipos mais conhecidos encontram-se o manteiga (em forma de pêra, com polpa macia e sem fibras), o guatemala (com forma de ovo e casca rugosa, maior que o manteiga) e o percoço (parecido com o manteiga, mas um pouco mais alongado). 

No Brasil, o abacate é consumido ao natural com açúcar, como sobremesa. No entanto, em outros países é mais apreciado em saladas, bem temperado com vinagre, pimenta e maionese. Em pratos doces, o abacate combina muito bem com limão, leite, creme de leite e leite condensado, na preparação de sorvetes, cremes, musses e bebidas. Em pratos salgados, vai bem com camarão e possui alta taxa de gordura, sendo muito rico em calorias, o que o torna lagosta, em saladas ou acompanhando pratos fortes contra indicado para regimes de emagrecimento ou de manutenção de peso. No entanto, como sua gordura é fácil de assimilar pelo organismo, pode constar da dieta de quem tem problemas digestivos. Além disso, contém vitaminas A e do complexo B e alguns sais minerais como ferro, cálcio e fósforo. Os melhores abacates são os mais pesados e firmes. Para saber se estão no ponto, é só fazer uma ligeira pressão com os dedos: os de casca fina cedem logo, os de casca mais grossa oferecem um pouco mais de resistência. Os melhores abacates têm poupa macia e gordurosa, de sabor característico e delicado (antes de ficar maduro, ele tem poupa dura e esbranquiçada) . Algumas vezes, tem manchas de cor marrom clara na casaca, mas esse é um defeito apenas superficial que não afeta a qualidade do fruto. Os abacates duros ou bem firmes, embora possam ter todas as características de boa qualidade, não estão prontos para o consumo imediato, devendo ser amadurecidos. O abacate deve ser guardado em lugar fresco e arejado. Quando ainda verde, não convém colocá-lo na geladeira, pois o frio interrompe o processo de maturação. Depois de descascado, deve ser imediatamente consumido, porque, em contato com o ar, a poupa escurece. Para evitar o escurecimento imediato, passe um pouco de suco de limão na superfície do fruto. Apesar de rico em gordura vegetal, ele não ataca o fígado, eliminando a sensação de peso no estômago. O abacate contém muito Fósforo, que ajuda na formação dos ossos e dentes e evita a fadiga mental. Como remédio, o abacate tem grande utilidade. O caroço moído e queimado, e misturado ao leite, resolve problemas renais, desinterias e doenças do aparelho reprodutor feminino (corrimentos) . Suas folhas, tomadas sob a forma de chá, são altamente digestivas, estimulantes e normalizam irregularidades, como a menstruação. O chá combate também infecções da garganta, elimina a rouquidão e a tosse. Bom também é mastigar as folhas de abacate frescas para curar afecções da boca, estomatites, ânsias, além de fortificar as gengivas e os dentes. O abacate batido com farinhas de soja, produz um excelente resultado em doenças reumáticas. 

Aspectos Gerais da cadeia produtiva O abacateiro (Persea americana L.) é uma árvore elegante, de caule pouco reto e que, em estado silvestre, chega-se até 20 m de altura. Quando cultivada, sua altura é bem menor. Do fruto comestível também se pode extrair um óleo semelhante ao azeite de oliva. Curiosamente, o abacateiro é considerado legume na maior parte do mundo, sendo consumido como salada, sopa e sob a forma de conserva. 

Solo e ClimaO abacateiro desenvolve-se melhor em solos, leves, profundos e bem drenados, ligeiramente ácidos. As melhores condições climáticas são encontradas em regiões com chuvas em torno de 1 200 mm anuais, razoavelmente distribuídas, e que não sejam sujeitas a ventos fortes e frios. A temperatura média preferida oscila em torno de 20ºC, a mínima não deve ser inferior a 6ºC. As variedades do abacateiro dividem-se, de acordo com suas caraterísticas, nos grupos A e B. Dentro dessa divisão, as mais recomendadas são: pollock (B), simonds (A), fortuna (A), e quintal (B). Para o bom desenvolvimento do abacateiro, é fundamental conhecer as características de cada variedade. 

Polinização: Para obter uma boa polinização, é preciso que no mesmo pomar existam variedades de abacateiro A e B. Nos abacateiros de variedades A, a primeira abertura da flor ocorre de manhã, quando o estigma (parte que recebe o pólen) está aberto, pronto para ser polinizado. Mas as anteras, que contêm os grãos de pólen, só vão abrir-se na tarde do dia seguinte, quando o estigma não tem mais condições de receber o seu pólen. Nos abacateiros do grupo B, a abertura do estigma e da antera tem alternância diferente, complementando as aberturas das flores dos abacateiros do grupo A. Assim, o pólen saído das anteras das flores de um grupo de abacateiros vai para os estigmas das flores do outro grupo e ocorre o que se chama de polinização cruzada. O pólen é levado de uma para planta para outra por insetos, principalmente abelhas. Por isso é aconselhável que as plantas polinizadoras não estejam a mais de 15 cm de distância das que devem ser polinizadas, e que haja duas colmeias por hectare e plantação de abacateiros. Caso o agricultor queira colher abacates de uma só variedade, é preciso que haja no mínimo 10% de plantas polinizadoras do outro grupo. 

Propagação: As plantas propagadas por sementes dificilmente darão frutos idênticos aos da matriz. Assim, o melhor método de obter mudas é o de enxertia por garfagem em fenda cheia. No preparo das mudas, utilizam-se sacos de polietileno de 18 x 30 cm. 

Espaçamento e Coveamento: A distncia entre as plantas pode variar de 8 x 9 m a 10 x 12 m. As covas devem ter 0,50 x 0,50 x 0,50 m. 

Plantio: Deve ser feito no período das chuvas, deixando-se o colo da planta cerca de 5 cm acima do nível do solo, depois de retirar os sacos plásticos das mudas. É importante interplantar variedades dos grupos A e B que floresçam no mesmo período, para aumentar a fecundação. Plantada a muda, é necessário fazer uma espécie de bacia ao seu redor, com terra retirada na abertura da cova, para permitir a retenção de água. Aconselha-se ainda colocar sobre essa bacia uma cobertura morta - palha de arroz, ou capim seco, por exemplo - para diminuir a evaporação da água. 

Tratos Culturais: No abacateiro normalmente só se faz poda de limpeza. Na fase de formação do pomar recomenda-se o plantio intercalar de culturas anuais ou de leguminosas para adubação verde. 

Adubação: A calagem e a adubação devem ser feitas de acordo com a análise do solo, repetida, pelo menos, a cada quatro anos. Considerando- se um solo com baixos teores de fósforo e de potássio, recomenda-se a seguinte adubação: na cova, 15 a 20 l de esterco de curral, 500 g de superfosfato simples e 100 g de cloreto de potássio; primeiro ano, 55 g de uréia e 35 g de cloreto de potássio, por planta e por vez, após o pegamento das mudas e no final da estação chuvosa; segundo ano, 65 g de uréia, 220 g de superfosfato simples e 50 g de cloreto de potássio, por planta e por vez, no início e no final do período chuvoso; terceiro ano, 85 g de uréia, 290 g de superfosfato simples e 65 g de cloreto de potássio, por planta e por vez, no início e no final das chuvas; pomares safreiros, 170 g de uréia, 445 g de superfosfato simples e 100 g de cloreto de potássio, por planta e por vez, no início e no final da estação chuvosa. 

Segurança e qualidade: 
As pragas e doenças mais freqüentes são as lagartas, a podridão-das- raízes, a verrugose e a antracnose. As lagartas são controladas com calda de fumo ou biofertilizante. A podridão-das- raízes exige um controle preventivo, fazendo-se o plantio em solos leves e bem drenados. Já a verrugose e a antracnose podem ser controladas com pulverizações de oxicloreto de cobre. 

O abacateiro começa a produzir no terceiro ano após o plantio, e a produção de uma planta adulta oscila entre 200 a 800 frutos por ano. A variedade margarida, desenvolvida pelo Iapar, é considerada das mais lucrativas, porque seus frutos amadurecem tarde e alcançam melhores preços. Plantando-se espécies precoces, de meia-estação e tardias, com polinizadoras que floresçam na mesma época, podem-se colher frutos o ano todo. 

O abacate não deve ser empilhado e nem colocado com outras frutas que possuam muito amido, devido precipitar a senescencia do fruto, levando ao apodrecimento precoce. 
Bibliografia consultada 

ALVIZOURI, M. M. et al. Effects of avocado as a source of monounsatured fatty acids on plasma lipid levels. Archives of Medical Research, 23:163-167, 1992. 

AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Management of dysplipidemia in adults with Diabetes. Diabetes Care, 21:179-182, 1998. 

CARRANZA, J. et al. Efectos del aguacate sobre los niveles de lipidos sericos en pacientes com dislipidemias fenotipo II y IV. Archivos Instituto de Cardiologia del México, 65: 342-348, 1995. 

FELDMAN, E. B. Assorted monounsatured fatty acids promote healthy hearts. American Journal of Clinical Nutrition, 70: 953-954, 1999. 

LEDESMA, R. L. et al. Monounsatureted fatty acid (avocado) rich diet for mild hypercholesterolemi a. Archives of Medical Research, 27: 519-523, 1996. 

LERMAN, I. G. et al. Effect of a high monounsaturated fat die enriched with avocado in NIDDM patients. Diabetes Care, 17: 311-315, 1996. 

SALAS, J. J.; SÁNCHES, J.; RAMLI, U. S.; MANAF, A. M.; WILLIAMS, M.; HARWOOD, J. R. Biochemistry of lipid metabolism in olive and other oil fruits. Progress in Lipid Research, 39: 151-180, 2000. 

SOARES, H. F. O ácido graxo monoinsaturado do abacate no controle das dislipidemias. Revista de Ciências Médicas, 9: 47-51, 2000. SZPIZ, R. R., JABLONKA, F. H., PEREIRA, D. A. Avaliação do óleo de cultivares de abacate provenientes da região do cerrado. Boletim de Pesquisa CTAA EMBRAPA, 16: 1-11, 1987. 

THOMSEN, C. et al. Differential effects of satured and monounsaturede fatty acids on postprandial lipidemia and incretin responses in healthy subjects. American Journal of Clinical Nutrition, 69: 1135-1143, 1999. 

TURATTI, J. M., CANTO, W. L. Insaponificáveis do óleo de abacate. Boletim ITAL, 23: 311-29, 1985. 

WILLIAMS, T.; KRAUSS, R. M. Low-fat diets, lipoproteins subclasses, and heart disease risk. American Journal of Clinical Nutrition, 70: 949-950, 1999 

Data Edição: 05/07/04 Fonte: Dr.Edson Credidio - Médico Nutrólogo
Fonte: Dr. Edson Credidio

ADVERTENCIA ACURANATURAL
1- Não utilize a mesma planta ou receita por mais de 15 dias seguidos. Procure outra com os mesmos efeitos e alterne o uso.
2- Evite o uso de recipientes de alumínio.
3- Prepare as receitas na quantidade certa para ser consumidas na hora. (A não ser quando recomendado).
4- Ressaltamos que toda receita alternativa tem o poder de acalmar e amenizar o problema, seja ele uma dorzinha de barriga ou uma grande enxaqueca. É importante sempre lembrar de anotar os seus sintomas e procurar ajuda médica periodicamente para os check-ups. Não nos responsabilizamos pela ingestão das ervas sem o devido acompanhamento terapêutico.